O 15 e 16 de Julho participa do XI Festival da Terra e da Língua da Fundaçom Artábria

A través destas linhas queremos agradecer o convite a participar da XI ediçom do Festival da Terra e da Língua da Fundaçom Artábria, que terá lugar o próximo 15 e 16 de Julho. Galizacontrainfo participará na mesa de debate "Derrubando os muros da (des)informaçom", com companheiras do Diário Liberdade, Novas da Galiza e Rádio FilispiM. Ademais ás 12.30 do sábado 16 de Julho inaugurarase no recinto do festival, no Muinho do Pedroso (Narom), umha exposiçom de fotografias do nosso colectivo, que recolhem o trabalho de contrainformaçom realizado no último ano.

Animamos á participaçom no festival e deixamos aqui o programa do mesmo e a ligaçom á web do evento.

:: Programa

Sexta-feira 15 de Julho

21.30h Apresentaçom do Festival

22.00h Concerto

Nhió

Residuos atractivas

EINA

Sacha na Horta

Sábado 16 de Julho

12.30h Apertura da exposiçom fotográfica de galizacontrainfo

16.00h III Campeonato Futebol 3x3

16.30h Festivalzinho

17.30h III Abertinho Ártabro de Bilharda

18.30h Poésia musicada Projeto o Poema (A) Corda

19.30h Debate “Derrubando os muros da (des)informaçom

Contaremos com a presença de membros de:

- Diário Liberdade

- Novas da Galiza

-Galizacontrainfo

- Rádio FilispiM

21.45h Pregom com o jornalista ferrolano Nicolás Vidal (com a colaboraçom de Roger de Flor e o Marquês das Vinhas)

22.00h Concerto

Arenga

- Die Tsunami

Chotokoeu

- Dios Ke te Crew

Neste ano 2011, o Festival da Terra e da Língua quer deter-se a refletir coletivamente e em voz alta sobre um dos inimigos silenciosos da liberdade e de um direito fundamental, como é o da informaçom livre e veraz. Referimo-nos ao poderoso império mediático com que o grande capital modela as opinions e conduz o pensamento da maioria através de meios totalmente controlados polo pensamento único.

Na Galiza, essa realidade vê-se agravada pola funçom espanholizadora que desenvolvem os grandes aparelhos mediáticos capitalistas: La Voz de Galicia, Telecinco, ABC, El Correo Gallego, El País, El Mundo, Faro de Vigo, COPE... duas caraterísticas identificam todo essa constelaçom de meios supostamente informativos: a linha editorial ditada polo grande capital que é o dono de todas elas e, portanto, ordena e manda; e a imposiçom lingüística, que fai do nosso idioma, o galego, um raro episódio que justifica suculentas ajudas públicas supostamente ao serviço de iniciativas normalizadoras.

O negócio é redondo e as vítimas propiciatórias somos os galegos e as galegas, que os financiamos obrigatoriamente, enquanto sofremos as suas manipulaçons e agressons permanentes aos nossos direitos lingüísticos. Apesar de ser ainda maioritária graças à envelhecida populaçom galega, a nossa língua está excluída por sistema e os poucos meios que vinham utilizando-a fôrom desaparecendo nos últimos anos.

Todo isso merece umha reflexom, umha análise e umha resposta por parte do movimento popular galego. A esse objetivo se subordina o XI Festival da Terra e da Língua, contando para isso com alguns meios alternativos e comunitários existentes atuantes na Galiza, como representantes de um panorama informativo oposto ao descrito nas anteriores linhas.

Além disso, a música galega e em galego voltará a hegemonizar o Festival que a Fundaçom Artábria leva onze anos organizando. Nas próximas páginas podes ver a programaçom completa e, assistindo ao Moinho de Pedroso, certificarás o teu apoio à causa que nos une contra o injusto sistema atual e em defesa de um outro mundo possível, que na Galiza deverá ser falado e escrito em galego.

Apoia o Festival da Terra e da Língua, polo direito à língua e à informaçom livre!